RED HILL, DA JAMIE MCGUIRE




" Quando o fim do mundo se aproxima, pode o amor sobreviver?"


Livro: Red Hill
Gênero: Young Adult
Escritora: Jamie McGuire
Editora: Verus
Páginas: 350


Red Hill é uma história sobre epidemia e zumbis, porém, com suas singularidades. Não sou muito fã de histórias com mortos-vivos, mas esse foi um livro que conseguiu me prender.
A história já começa com a transição da vida normal dos personagens para a imprevisível busca pela sobrevivência devido uma epidemia onde pessoas infectadas ficam agressivas e atacam qualquer um que esteja por perto. Para piorar, aqueles que foram atacados ou mortos pelos infectados passam a “reviver” igualmente agressivos. E é nesse cenário que os personagens não infectados tentam achar as pessoas que amam ao mesmo tempo que devem se proteger e achar um lugar para se estabelecer em segurança.
O diferencial do livro é o foco nos relacionamentos dos personagens, na sobrevivência em si e não necessariamente em como o mundo teve essa mutação do dia para a noite. Até há algumas pistas de como essa epidemia aconteceu, mas as explicações não tomam um grande espaço no enredo.


O livro apresenta três histórias diferentes, que aos poucos vão se interligando. A narrativa é em primeira pessoa, mas três personagens narram suas respectivas experiências e pontos de vista, sendo eles:
A Scarlet, uma enfermeira divorciada, que ao notar o perigo, sai em busca das filhas que estão com seu ex-marido em outra cidade;
O Nathan, um pai dedicado que busca um lugar seguro para ficar com sua filha, Zoe;
E Miranda, uma universitária que tenta chegar ao rancho Red Hill, que pertence ao seu pai, na companhia da irmã Ashley e seus respectivos namorados, Bryan e Cooper.


Essa dinâmica entre três narradores não afeitou a história negativamente, na verdade, eu gostei bastante. A escrita da autora também ajuda, pois ela consegue cativar o leitor, despertando a curiosidade pelo que vai acontecer no decorrer da história, o que acaba tornando a leitura muito rápida. É um daqueles livros que não dá largar até descobrir como termina.
Mas é aí que entram os problemas. Conforme as páginas vão passando e a história se desenrola, o livro passa a romantizar demais o fim do mundo.
Até certo ponto é interessante o rumo que a autora toma ao dar enfase para a convivência humana, para o sentimentalismo que a situação pode despertar nas pessoas que enfrentam uma situação extrema como essa juntas. Mas gente, tem limites, aquilo ainda era um apocalipse zumbi!




Ainda acontece de alguns personagens serem bem explorados no decorrer do livro e mesmo assim a autora dar um fim rápido, sem muita explicação ou atenção ao acontecimento que encerrou a participação do infeliz. 
E vamos combinar que triângulo amoroso não combina com história de apocalipse? O mundo está pegando fogo e a mocinha não sabe se beija um ou outro. Minha querida, só por você ter a opção de beijar um, já devia estar contente. Achei um drama desnecessário em vista de que coisas muito mais relevantes poderiam ser exploradas.
E para terminar, o final fez parecer que a morte de milhões de pessoas (dentre elas familiares e pessoas queridas) teve seu lado positivo pelo simples fato de meia dúzia de sobreviventes terem se conhecido e formado uma “família felizes”, no meio do mundo pegando fogo. Não me convenceu nenhum pouco, por isso, foi um livro que começou ótimo, mas que acabou de forma decepcionante. 

Mas apesar desses pontos negativos, ao todo a obra acaba sendo cativante.Talvez vocês passem raiva? É, talvez. Eu passei e por isso deixo o aviso.
Se mais alguém leu Red Hill, deixe sua opinião nos comentários também. Se você gostou do final, ou ao menos soube lidar com ele de forma mais madura, não julgue/xingue a coleguinha u.u
Autora tem vários livros conhecidos, se você já leu algum outro, nos fale também o que achou e se recomenda!


Beijos :*

Wattpad

Citação:

"O amor não é uma brincadeira! Não é a suavidade das flores! É trabalho pesado, uma busca que nunca termina. Exige tudo de você, especialmente a verdade. Somente então lhe concede recompensas."

- A Casa de Hades.

Blog Archive