Will & Will: Um nome, um destino, de John Green e David Levithan


"A verdade, porém? Todo mundo tem uma. Essa é nossa maldição e nossa bênção. Essa é nossa tentativa e nosso erro e nossa coisa certa."

Livro: Will & Will - Um nome, um destino.
Escritor: John Green e David Levithan
Páginas: 348
Gênero: Romance/ Young Adult
Editora: Galera Record

Will e Will, conta a história de dois caras que possuem o mesmo nome: Will Grayson. Cada capítulo é contado por um desses caras, o primeiro que nos é apresentado é um Will fechado, que não se permite se apegar as coisas, tendo duas regras básicas para se guiar, a primeira: "Não se importar muito com nada" e a segunda: "Calar a boca". Este Will é filho de médicos, joga no time do colégio e tem como melhor amigo Tiny Cooper.

Tiny Cooper é um cara alto e corpulento, também joga no time do colégio, é rico e gay. Tiny já teve várioooos namorados, nenhum namoro durou muito tempo, mas ele sempre se apega super rápido a estes namorados e sofre horrores ao terminar.. Alguns dias depois ele aparece com alguém novo!

O outro Will é criado pela mãe, trabalha nos finais de semana em uma farmácia para conseguir pagar os remédios de depressão que ele tem que tomar. Tem como única amiga uma garota chamada Maura, os dois meio que se entendem em sua solidão. O único que lhe traz felicidade é o amigo (namorado-rolo) Isaac.



"Talvez haja alguma coisa que vocês tenham medo de dizer, ou alguém que você temam amar, ou algum lugar onde têm medo de ir. Vai doer. Vai doer porque é importante."

Numa sexta, uma banda que o Will 1 (aquele das duas regras) e Jane, uma garota do colégio que faz parte do clube de Tiny, vai tocar em Chicago. Os três resolvem ir até lá para assistir ao show, mas antes Jane leva Will 1 até um amigo para conseguir uma identidade falsa, já na entrada descobrem que o cara errou o ano, sendo assim a identidade não vale de nada, tendo de esperar Jane e Tiny saírem do show, Will1 vai até um sex shop, buscando algo legal para poder contar para os amigos.

Mas não é só o show que ocorre naquela noite, Isaac marca um encontro com o Will 2 (aquele que trabalha na farmácia), em Chicago. Will 2 chega lá com um choque ao descobrir que o local combinado é um sex shop, ao entrar percebe que não há nem sinal de Isaac, mas decidi esperar, afinal ele pode ter se atrasado! Porém o cara do caixa chama sua atenção, ao dizer seu nome em voz alta, mas ao responder o cara descobre que na verdade ele está falando com o outro garoto que está lá.

Will 2 decidi sair e falar com Will 1. O celular dos dois toca (quase) juntos, Jane é quem está ligando para Will 1, enquanto para Will 2... Bem, a notícia não é boa. Tudo não passou de uma brincadeira de mal gosto, não existe Isaac, era tudo uma mentira. A dor misturada com raiva fazem Will 2 chorar e Will 1 tenta ajudá-lo.

Após algum tempo, Tiny e Jane aparecem por lá, Tiny que é experiente em desilusões manda Will 1 e Jane darem uma volta, enquanto ele e Will 2 conversam. E naquela noite começa o relacionamento de Tiny Cooper e Will 2.


"Você junta todos os meus pedacinhos, e sou muito grato por isso."

Além do relacionamento o livro mostra também o desenrolar de um musical escrito por Tiny. Este livro esta além de uma simples história de amor, ele mostra o quão difícil é manter um relacionamento para alguém com depressão e baixa autoestima, que aquilo que as pessoas demonstram nem sempre é o que está dentro dela, que o perdão é extremamente importante e que se você quer algo deve se jogar sem medo de se machucar.

Mais uma vez John Green consegue arrancar lágrimas de seus leitores, já David Levithan devo admitir que é o primeiro livro que leio desse autor, mas me causou uma curiosidade imensa para conhecer mais obras dele!

Os dois conseguem nos fazer ver como por vezes somos egoístas, imersos em nossos próprios problemas e esquecendo que a vida dos que nos rodeiam também não é nenhum universo multicolorido.

Quebrando os tabus da homossexualidade e fazendo uma obra fascinante, daquelas que você não consegue largar até chegar ao fim, posso afirmar que o livro acaba com um gosto de quero mais. Frases que explicam sentimentos de uma forma tão autêntica que chega a arrepiar, uma diagramação perfeita, folhas amareladas (daquelas que tanto gostamos!), fonte num tamanho legal e uma capa maravilhosa, é o que os autores e a editora nos dão!

Já leu esse livro? Me fala o que achou e conta também se gostou da resenha! Ah, se você já leu algum outro livro do David Levithan, indica pra mim, vou amar conhecer!

Instas para você seguir

Minhas queridas filhas (Izzy e Nina), derrubaram meu celular e como podem ver a tela quebrou :(

Hoje estamos inaugurando uma nova categoria aqui no blog, a de fotografia. Quem me conhece sabe que sou apaixonada por fotos, então não poderia deixar de ter uma categoria para falar disso, aqui no blog!

Para começarmos bem, resolvi indicar para vocês alguns Instagrans que são puro amor e que sigo. Garanto que tem inspirações para todos os gostos, com feeds: cleans, darks, organizados, bagunçadinhos, praianos ou urbanos e muitoooo mais!

@anacarolinechaves

@anacarolinechaves

@arianeleite_

@arianeleite_

@bllackna

@bllackna

@carolltm

@carolltm
@crystalinapicnic

@crystalinapicnic

@ebonnydp

@ebonnydp

@laramicaelo

@laramicaelo

@lauraresende

@lauraresende

@mourize

@mourize

@outboo

@outboo

@pamelawille

@pamelawille

@tannykessia

@tannykessia

Me conta o que achou do post e não esquece de entrar para conhecer cada um dos Instas. Juro que encontrará várias fotos legais por lá e que você possa se inspirar! Ah, aproveita e me segue lá no insta @maaju_marques.

Uma carta para mim mesma

Reprodução/ Pinterest
Querida M.,

Ei, vá com calma! Você é melhor do que qualquer emprego, qualquer nota e qualquer babaca que brinca de amar! 

Eu sei, eu sei! É claro que sei que lhe dói o peito, que lhe trava a garganta, lhe falta o ar e as lágrimas queimam. A voz falha, a esperança parece longe e a felicidade parece ser algo existente somente nos livros.

As crises de ansiedade te assustam, o choro não encontra consolo, os braços tateiam um abraço inexistente, é estamos em tempos difíceis...

Mas não desiste moça! Lembra da garotinha de cinco anos? Aquela que corria para o quarto e chorava até dormir. Lembra que apesar de todo medo, ela continuava sempre com um sorriso no rosto e afirmando aos quatro ventos que estava tudo bem? Pois bem, não deixa que ela se perca!

Reprodução/ Pinterest

Respire. Abra um livro e se deixe perder na história, se deixe esquecer quem você é, se deixe encontrar a calma e o alívio. Prende esse cabelo, sorria para o espelho que quero ver esses olhos verdes brilharem. 

Acredite em si mesma, por mais difícil que isso seja! Não se deixe convencer de que não é bonita, inteligente, importante ou qualquer outra coisa que te machuque. Não cometa autossabotagens. Acredite. Acredite em você e ouça o que seu coração falar!

Quer pintar o cabelo de púrpura? Então pinte! Quer comprar mais livros? Compre! Quer comer chocolate? Coma! Quer sair? Só marcar! Quer ficar em casa? Ora, só acessar a Netflix! Faça o que quiser, faça o que te fizer bem, permita-se sorrir e sentir-se bem consigo mesma!

Parece difícil, eu sei! Mas com o tempo se torna bem mais fácil, por isso não tenha pressa, tudo chega no momento certo! Ah querida, isso soa estranho aos ouvidos, mas ao dizer em voz alta é mais fácil se convencer!

Não se importe em deixar as lágrimas escorrerem, elas aliviam a alma e nós precisamos disso! Precisamos acreditar mais em nós mesmas. Afinal qual o nosso problema? Porque damos tanta importância para o que os outros dizem? Que tal sermos felizes ao menos dessa vez? 


Com amor e sinceridade,                   
eu mesma!


P.S.: Essa foi a carta mais difícil de ser escrita. Porque mesmo com a saudades é mais fácil admitir a verdade para os outros do que para si mesmo! E precisamos ser sinceros com nós mesmos, me perdoe se está embaraçoso e um pouco repetitivo, mas chegou a hora de enfim entender isso tudo que foi dito!

Projeto Cartas para Amelie


Já conhecem o blog Maybe Yellow? Não? Bem o blog é da linda e fofa Donna Grossi e é puro amor, apesar de ser suspeita pra falar dele! Se vocês está se perguntando o porque de eu estar falando isso, é simples: o projeto Cartas para Amelie

Antes de falar do projeto em si, vou explicar como o conheci! Descobri o blog da Donna por meio do portfólio da Iunique e foi paixão na mesma hora. Comecei a fuçar tudo e logo de cara me deparo com a página "Cartas para Amelie", uma luz de esperança se ascendeu aqui dentro imaginando o que poderia ser e digamos que eu acertei!

Cartas para Amelie é um projeto de troca de cartas que nasceu em setembro de 2012. O nome do projeto foi inspirado no filme a "O Fabuloso Destino de Amelie Poulain". Para participar é bem simples, basta preencher o formulário e pronto, na hora você já recebe um correspondente. Depois de um tempo você recebe um e-mail de confirmação, com dicas básica e uma lista de todos os participantes separados por região em que vivem!

"A função do Cartas para Amelie vai além do que trocar cartas, conhecer pessoas espalhadas pelo mundo, receber mimos, aumentar a coleção de papel de cartas e blablablás. O projeto vejo como na contra mão desse seguimento de cartas, o defino como uma intervenção social anônima, não precisa ser um participante para fazer as tarefas, escrever cartas, ou " perder " algumas delas. Quero infectar as pessoas com AMOR, seja enviando uma correspondência, uma ilustração ou qualquer coisa criativa que produza um pueril sorriso.
Desejo que as pessoas comecem a pensar no próximo, e façam algo para mudar a cidade, o colégio, o mundo em que elas vivem, e por que não começar com um singelo bilhete ao desconhecido?"
Trecho retirado do blog Maybe Yellow.

Se me apaixonei na hora pelo projeto? Claro! Se me cadastrei e já estou escrevendo cartas? Sem dúvidas! Esse é um projeto maravilhoso e acredite, não são "apenas" cartas! São uma forma de carinho, ao enviar uma carta, você envia um pedacinho de si junto com ela! ♥

Já conhece o projeto ou algum parecido? Me conta! E que tal vir participar dele e espalhar um pouco de amor por aí?




A Lista Negra, de Jennifer Brown


"Como sempre há tempo para dor, também sempre há tempo para cura." (pág. 179)

Livro: A Lista Negra
Escritor: Jennifer Brown
Páginas: 272
Gênero: Romance/ Drama
Editora: Gutenberg

A Lista Negra era um tipo de brincadeira de Valerie e seu namorado Nick, para lá iam os nomes de todos aqueles que pisavam nos dois, todos aqueles que de alguma forma os atingiam com suas "brincadeiras" grosseiras. Vítimas de bullying, os dois encontraram um no outro e em suas brincadeiras, um porto seguro, onde havia entendimento daquilo que os machucava.

Valerie e Nick costumavam brincar de imaginar as mortes de todos aqueles nomes que iam para lista, ao menos Valerie acreditava ser uma brincadeira! Nick selou um acordo silencioso de se vingar de todos aqueles que tanto os humilhou, um acordo tão silencioso que nem a própria Valerie foi capaz de notar que era real.

Numa manhã, quando nada pareci dar certo para Valerie, Christy, uma garota que já estava na lista há muito tempo, quebra seu mp3 de propósito. Ao chegar no colégio e contar a Nick o que houve, este se encaminha até a cantina para tirar satisfações com a valentona, ao menos é isso que Valerie acredita. Mas quando chegam lá, ela se depara com uma horripilante surpresa: Nick tem uma arma e começa a procurar e atirar em todos que estavam na lista!

Valerie fica em choque sem saber o que fazer, até que percebe que seu namorado ataca aqueles que estão na lista, ao notar que Nick caminha até Jéssica, Val não pensa duas vezes antes de se atirar na frente da garota com a intenção de parar o massacre. Após acertar a própria namorada, Nick se mata.

Val é obrigada a passar todo o verão numa Unidade Psiquiátrica. Mesmo tendo parado o massacre e salvado a vida de Jéssica, a policia e a imprensa local continuam achando que Val é culpada pelo o que houve e que o massacre foi uma tentativa de suicídio do casal.

Agora, sem Nick, Val é obrigada a continuar com a sua vida. Tendo de enfrentar os comentários maldosos ao seu redor, a falta de amigos, a dor pela perda de todos aqueles que morreram no massacre, a saudade e a culpa por Nick, e os problemas familiares.

O único apoio emocional que Valerie encontra vem por parte de seu terapeuta o Dr. Hietler. Até que Jéssica, começa a se aproximar de Val e tentar ajudá-la a enxergar que aqueles erros não eram dela! Val encontra apoio e libertação por meio da arte, isso graças a ajuda de Bea que é uma artista local que possui um atelie perto do consultório de seu terapeuta.

"Em alguns dias, chegar ao fim do dia é uma grande vitória." (pág. 178)

Esse é sem dúvidas um livro que deveria ser lido por absolutamente todos! É um romance que prende o leitor e te dá uma visão de mundo sob a perspectiva de quem passa por um trauma e de quem sofre com o bullying!

A história é fantástica, rica em detalhes e que não vai te deixar desgrudar nem por um segundo. Não posso negar que é uma história forte, que mexe com o emocional e é difícil não chorar. É triste e lindo ao mesmo tempo, te faz amar, mas também te faz odiar alguns personagens. Ela te faz parar para refletir e viver cada momento junto com a personagem.

Não há dúvidas que esse livro entrou para a minha lista de favoritos e que a força e coragem da Val são inspiradoras! Já leu esse livo? Me conta o que achou! Conhece algum outro parecido? Deixa qui nos comentários, vou adorar lê-lo!

Wattpad

Citação:

"O amor não é uma brincadeira! Não é a suavidade das flores! É trabalho pesado, uma busca que nunca termina. Exige tudo de você, especialmente a verdade. Somente então lhe concede recompensas."

- A Casa de Hades.

Blog Archive